terça-feira, 30 de abril de 2019

‘’Não vai pular daí, igual pipoca’’






Disse para uma das minhas pacientes internadas... Quando ela deu uma ‘’pulada’’: ‘’Não vai pular daí, igual pipoca’’. E acrescentei: "Vou puxar a grade para ter certeza que você não vai cair".

Rimosssssss juntas ...

Sabe...Não é fácil ficar em um leito de hospital com perda de movimentos no braço e na perna  ''do mesmo lado'' (Hemicorpo)  sem ter medo de voltar as suas funções diárias.

Na terapia ocupacional , as AVD´S (atividades de vida diárias) são tão necessárias quanto a volta do deambular (andar) em um paciente que teve um AVC (acidente vascular cerebral).

O treino das AVD´S ainda durante a internação é muito importante, mas digo que o senso de humor também faz toda diferença na recuperação de um paciente.

Nada é definitivo....’’Sua condição é temporária, por isso quando você sair do hospital você vai ser encaminhado para a reabilitação...Muita calma nesta hora!’’...Assim falo!

Enfim, é muito difícil deixar de ser ativo de uma hora para a outra. Um ‘’tsunami’’ de emoções chega... Devasta..Deixando destruição. Mas é preciso ter a certeza que o sol vai brilhar novamente.

Alda de Cássia


*Imagem:Viva Bem.uol 

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Ser original






Quem gosta de cópia é copiadora!!!(rsrs)...Por isso, vamos ser original! Nada de ‘’copiar’’ o outro. Nada de seguir caminhos já percorridos. Nada de modismo. Nada de tentar seguir os mesmos passos do outro.
Quando você é original ...Você perder o interesse de olhar para a casa do vizinho.Você busca inovar.Você questiona novas possibilidades. Corre para não perder a oportunidade de fazer algo diferente.
Você busca ser original ou ser uma cópia?
Alda de Cássia



*Imagem:Contarmedia.com

domingo, 28 de abril de 2019

Ter paciência






Ter paciência... Para saber que tudo tem um tempo para acontecer...Tudo acontecerá no tempo certo..Nem mais e nem menos...No tempo de Deus e não no nosso tempo.

Ter paciência... Que não existem resultados sem vencer batalhas internas e externas.

Ter paciência... Para plantar e saber esperar a hora da colheita.

Ter paciência... Para aceitar as dificuldades do outro para nos entender.

Ter paciência...


Alda de Cássia

 *Imagem: CONTI outra 



sábado, 27 de abril de 2019

Ser luz e não escuridão





 Ser luz e não escuridão


Ser luz... E fazer a diferença na vida das pessoas.
Ser luz... É ser um sorriso onde a tristeza faz ninho.
Ser luz... É sentir a presença de  Deus quando você ajuda o seu próximo.

Ser luz ou ser escuridão?

Bjs,
Alda de Cássia

* Imagem: Loja sete luzes.com.br

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Nas asas do Senhor


Sempre que ouço a música da Fernanda Brum: ‘’Nas asas do Senhor’’, penso nas horas que as dificuldades chegam e logo vem à cabeça: ‘’Deus está no comando da sua vida. Resista. Não desista. Siga!’’

Assim faço! Não é fácil, mas estou nas ‘’asas do Senhor’’ e tudo faz sentido. É aprendizado. Aprendemos todos os dias e o dia todo. Não é mesmo?

E você? Está nas asas do Senhor?

Alda de Cássia

*Imagem; Facebook

quinta-feira, 25 de abril de 2019

''Pega aí, bebê''

O quê? O quê?
Estava atendendo uma de minhas crianças, quando uma mãe disse: ’’Pega aí, bebê!’’. Eu disse: ’’O que? O que você disse?’’. Até porque, as mães sabem que não gosto desse tipo de tratamento. Penso que não é porque elas possuem deficiência intelectual e múltipla, que podem ser chamadas de ‘’bebê" ou "neném‘‘. E vamos convir, a criança tinha 4 anos!!!

A mãe, então respondeu, que não falou nada... ’’Falou sim!’’.’’Falei não...’’Bem,então tive que radicalizar (rs)...Cruzei os braços e fingi que não estava na sala.Ela olhou e franziu a testa.Eu é claro,imóvel!Ela então, percebendo minha atitude, disse: ’’Tá bom faleiiii! Eu falei. Você é demais quando quer algo!’’. Rimos da situação, até a criança.

Alda de Cássia 

Arte;Vitória de Cássia

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Quantas vezes...








Quantas vezes... Falar que é hora de recomeçar, mas ter medo de um novo começo?

Quantas vezes... Olhar para o céu e pedir ajuda, mas não ser capaz de entender que tudo tem a sua hora?

Quantas vezes... Pedir ajuda, mas descobrir que ela vem de quem, menos se espera?

Quantas vezes... Ter o pior dia, mas no final descobrir que tudo foi aprendizado?

Quantas vezes...

Bjs,

Alda de Cássia 

*Imagem:ABRALE

terça-feira, 23 de abril de 2019

Quando é preciso pisar no freio...Pise !





Algumas pessoas correm como o tempo e no tempo. Vivem uma vida ‘’corrida’’ para cuidar do marido, dos filhos e dos afazeres domésticos, mas não correm para cuidar da sua saúde...Ops!  Só para as UPAS  (Unidades de pronto atendimento) e daí, pisar no freio é inevitável. Não é verdade?

Quando era adolescente corriaaaaaaaaaaaaaaaaa contra o tempo para estudar. Hoje, pisei no freio quando tenho que estudar para apresentar um trabalho. Por isso, faço com antecedência.

Estou mais calmaaaaaaaaaaaaaaaaaa para falar... Exercício diário, Respirandoooooooooooooooooo mais ...Pisei no freio, mas ainda escrevo muitoooooo...Já fui multada várias vezes (rsrs)

Sinal vermelho? Só quando exagero nas minhas leituras e quando ‘’apanho’’ de um livro que cai quando cochilo... PARO de ler...Vou dormir!

Sinal verde? Quando já estou pronta para cumprir a minha missão e não termino enquanto ainda for necessária a minha ajuda ou execução.

Ah,! Sinal amarelo quando tudo parece ‘’um mar de rosas’’ em meio a uma forte ventania. Quando tenho que decidir entre ‘’sim’’ ou ‘’não’’. Quando preciso ter cautela para não colocar ‘’os pés pelas mãos’’ e quando o medo dá ‘’um sacode pra lá’’, querendo ficar ‘’abraçado comigo’’ (rsrs)

Enfim, seja vermelho, verde ou amarelo, é preciso autoconhecimento para não avançar o sinal antes do tempo, pois existe tempo para PARAR, SEGUIR E ATENÇÃO.

Alda de Cássia

*Imagem:Mãos ao alto

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Conto a Bela Adormecida e os projetos de vida


Hoje, vou fazer um ‘’link’’ de  um dos mais belos contos de fadas. Qual? A Bela adormecida. É um conto clássico de Charles Perrault. Um link com os nossos projetos de vida seja pessoal ou profissional.


Bem... Era uma vez... Viveram felizes para sempre foi permeado de momentos felizes no início. Mas no meio da história o caos interferiu na felicidade e no final a apoteose do bem que vence o mal... O amar e ser amado no inicio é bem assim...Não é verdade?

Muitas vezes, a vida é bem assim... Não falo só de relacionamentos afetivos, mas de projetos de vida que nascem de uma boa ideia e acabam morrendo porque foi perdido o foco. No inicio, a inovação na implementação, no meio a motivação na execução e no final a zona de conforto ou perda dos objetivos no final.

Assim como um beijo dado pelo príncipe encantado que tinha um ‘’foco’’ que o levou a agir por desejo ou amor, nós precisamos ter bem estabelecido o que desejamos para a nossa vida. Carreira de sucesso ou cumprimento de missão.

Bjs,
Alda de Cássia


*Imagem: cantinhodehistoriasinfantil.blogspot.com


domingo, 21 de abril de 2019

Ser espinho ou ser flor?


Hoje, algumas pessoas de tão machucadas pela vida acabam sendo espinhos na vida do outro. Buscam ferir com palavras e ações. São cortantes quando buscam a beleza que não possuem.

Não, não falo de beleza física, mas aquela beleza que vem do coração. Aquela que é irradiada de um coração cheio de sentimentos de amor de Deus.

Pessoas flores são aquelas que apesar de terem nascido no meio de espinhos não machucam quem tenta pegá-las, pelo contrário, elas gostam de ficar ao lado de outras flores, porque sabem que um jardim não é feito com uma só flor.

E as pessoas espinhos? Bem, estas por onde passam marcam a vida das pessoas, ou seja, deixam cicatrizes. Elas até tentam ser flores,porém seus espinhos estão na ‘’ponta da flor’’.

Mas, um dia elas vão deixar de ser espinhos e serão rosas. Sim, as rosas nascem em meio dos espinhos e são belas, até porque pessoas espinhos ainda não descobriram que são rosas.

O que está faltando para que isso aconteça? Reconhecerem que para viver em um jardim é preciso deixar de competir com as outras flores por beleza e descobrirem que cada um de nós tem o seu lugar no ‘’jardim da vida’’.

Não é verdade? Sempre digo, em uma outra comparação simbólica, que todos nós somos estrelas e estrelas não ocupam o mesmo lugar, simplesmente brilham no lugar que conquistaram no céu e aquela que deseja ofuscar o lugar da outra estrela já nasceu para ser sozinha no firmamento e não deve reclamar quando ficar na escuridão.

Alda   de Cássia 

*Imagem: Cléofas 

sábado, 20 de abril de 2019

Quando você menos espera...



Estava saindo apressada do hospital, quando ouvi uma voz dizendo mesmo assim: ’’Estava com saudades de você!’’. Olhei para trás e, ao olhar para o lado direito, vi um senhor de meia idade sorrindo. Ele repetiu a frase.

De fato, já fazia um tempo que não falava com ele. Era um guardador de carros, que, sempre que saio do hospital, encontro sentado no banco da praça.

Só que, ultimamente, ele sempre estava de costa e, por isso, não me via passar. Ele sempre diz: ’’Vá com Deus!Que Deus a abençoe’’. Algo que, já faz parte da minha vida.

Sim, porque você ser abençoada por um homem que você nunca parou para conversar é raro! E ele fala com imenso sorriso no rosto. Bem, vou contar o que já fiz, por duas vezes, para testar se ele ‘’faz por fazer’’.

Foi assim: Saí do hospital e atravessei para o outro lado da rua. Fiquei em sentido contrário ao da praça. Fui passando. De longe, vi que ele estava sentado no banco. Fingi que não o vi. Sabe o que aconteceu?

Ouvi: ’’Ei,psiuuu’’.’’Oiêee...’’ e ‘’Assobios’’. Olhei e não era que era ele? Dei o meu melhor sorriso para ele, tendo recebido outro. Ele acenava a flanela, em sinal de retribuição.

O fato, é que até hoje ele fala: ’’Vai com Deus. Que Deus a abençoe!’’. E, mesmo cansada para voltar para casa, eu sempre tenho um sorriso para retribuir essa ‘’benção especial’’.

Alda de Cássia 

Arte:Vitória de Cássia 

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Quando o poço seca e você ainda cai nele!





Sim, assim me sinto quando uma pessoa não compreende o que falei ou que fiz. Dramática Alda? Sim, o que fazer, pois descobri por escrever contos tenho esta ‘’veia ‘’ para produzir ficção simbólica pura! (rsrs)

Aqui em casa quando  o ‘’feijão desanda’’ logo digo:’’ A culpa não foi minha!’’ E não é mesmo. Não sei ‘’porque cargas d’águas’’ sou acusada e sem direito a julgamento justo compatível com a minha situação...Dramática?Hummmm...Conte outra que já seiiii! (rsrs)

Enfim, quem nunca passou por uma situação dessa?

Bjs,
Alda de Cássia


*Imagem: Capricho - Abril.com

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Nossas dúvidas diárias




Quantas vezes...

Será que ligo ou não ligo?
Será que faço ou não faço?
Será que vale a pena?
Será que não é tarde demais?
Será sonho ou realidade?
Será. Será... Será?

Alda de Cássia

*Imagem: Revista Digital 

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Conto: A estrela e o cometa





Era uma vez...

Uma estrela que nasceu em uma noite muito fria. Como era estrela, ela brilhava. Um cometa passou bem pertinho e a viu brilhar.Olhou muito rápido ,mas se encantou.

Ela percebeu e diminuiu a sua intensidade. Ele em uma volta impossível chegou perto dela e disse: ’’Brilhe minha linda estrelinha. Quero ver sempre o teu brilho, pois és tão bela.

Ela brilhou... Piscou para ele com o sorriso em forma de intensidade. Não mais se encontraram, mas ficou o olhar, o brilho e a intensidade registrada em um rastro de cometa.

Alda de Cássia



*Imagem: FT.Unicamp

terça-feira, 16 de abril de 2019

Livro: O que eu nunca disse antes- Eu, meu autismo e no que acredito

Como os jovens dizem: Carambaaaaaaaaaaaaaaa...Um daquele livros que você começa a ler e fica querendo saber mais e mais.

Qual o livro? O que eu nunca disse antes- Eu, meu autismo e no que acredito de Federico de Rosa, que é autista e vai contar um pouco e muito da sua vida e que foi lançado pela editora Paulinas.

Pois bem, uma acompanhante de uma paciente do hospital em que trabalho me emprestou, pois fiquei muitooooo interessada depois de ter prometido: ‘’Amanhã trago sem falta!’’ Até porque, a mãe sairia de alta no dia seguinte.

Li todo?Simmmmmm... Passei a madrugada lendo o mais que ‘’pude’’, o mais que ‘’deu’’, o mais que minha visão permitiu, pois o  Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz era grande. Mas valeu!

Federico é um italiano que mora com os pais e irmãos. Quando tinha 1 ano de idade, seus pais perceberam algo estranho: ‘’Ele começou a se fechar em si mesmo’’.

Não tinha interesse em nada ao seu redor. Não interagia com ninguém e não permitia o contato. Ele cresceu incapaz de compreender o mundo, e, por isso, o diagnóstico médico foi TEA (Transtorno do Espectro Autista)

Bem, ele fala pouco, mas muito em seu computador, que é usado como recurso de comunicação com o mundo. Ele mesmo escreveu as mais de 100 páginas e, no final existe registros de como tudo aconteceu até chegar ao lançamento do livro, com as primeiras digitações, por exemplo, tudo registrado.

Bjs,
Alda de Cássia


*Imagem; Livraria Cultura

segunda-feira, 15 de abril de 2019

Ser uma bela melodia em tempos difíceis.






Algum dia você já acordou do avesso? Sabe como é? Não? Peraí que vou tentar explicar... Quando tudo parece não dá certo? Você fala e a pessoa não entendeu você... Você escreve e a outra diz que ‘’foi pior que a encomenda’’.O que fazer?

Geralmente, a primeira coisa que faço é me ligar e me sintonizar em uma melodia instrumental. Sou movida a escrever meus contos ouvindo Bethoveen, Chopin, Mozart até instrumental de piano à violoncelo.

Na vida procuro ser uma bela melodia na vida das pessoas, pois sei que ao tocar o coração de uma pessoa, você toca o coração de Deus, pois Ele nos vê como irmãos em jornada e nada pode ser mais triste que tocar a melodia errada ou sem harmonia na vida das pessoas.

Uma pergunta: Você é melodia na vida das pessoas?

Bjs,
Alda de Cássia 


*Imagem: Academia Musical 

domingo, 14 de abril de 2019

A vida me ensinou



Ter mais cautela na hora de emitir uma opinião...
Ser mais pé no chão nos meus projetos de vida...
Maturidade para novos relacionamentos...
Cuidado para não agir por impulso...
Desconfiar de tudo que é fácil de ser conquistado...
Fugir da rotina...
Planejar antes de agir...
Ser mais sincera...
Saber ouvir mais e falar menos... (Estou tentando na verdade!)
Apreciar a simplicidade da vida...
A não julgar ...
A perdoar ...
A amar sem medida e com medida...
Que o amor deve ser rio que desaguá no oceano de tão profundo e intenso.
Que a nossa família é o nosso maior tesouro...
Que só os verdadeiros amigos ficam quando todos foram embora...
Saber me  resignar diante das adversidades ...
Que tudo é no tempo de DEUS...
Que as melhores e maiores conquistas não foram fáceis, mas valem muito a pena...
Que dinheiro é consequência do meu trabalho..
Que devo trabalhar com e por amor...
Que tenho uma missão a ser cumprida...Caindo e levantado sempre para concluir...
A ser mais humilde...
Acreditar no ser humano...
A ter mais fé...

O que a vida ensinou para você?

Alda de Cássia

*Imagem: Feliz com a vida

sábado, 13 de abril de 2019

Esperar ...





Esperar... O ônibus que não chega na hora que é preciso chegar ao trabalho;
Esperar... A nota  da prova que foi tão difícil e depende do resultado para não repetir de ano;
Esperar... Uma ligação importante do gerente de TI para a contratação em um novo emprego;
Esperar... O final do mês para comprar um sapato que não aperte os dedos;
Esperar... Que a chuva passe para sair de casa;
Esperar... Que a rosa desabroche na primavera;
Esperar... Esperar... Esperar...

O que você espera?

Alda de Cássia

*Imagem: Master Course Neuromarketing

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Já !






Já passei por muitas coisas na vida.

Já chorei muito... Já sorri até fazer cócegas na alma.
Já vi tudo sendo destruído, até os meus sonhos... Já  reconstrui e realizei outros!
Já fiquei no escuro dos pensamentos... Já sei o que é claridade de ideias.
Já calei e baixei a cabeça para reconhecer um erro... Já aprendi valiosas lições de vida ao reconhecer que estava errada.

Sou como um pássaro:

Se me apertar... Morro!
Se me deixar solta e não cuidar... Voo e não volto mais!
Se me sentir protegida... Fico e faço morada!

Já, já e já...A vida pode ser um ‘’Já é hora de começar’’, ‘’Já é hora de recomeçar’’ ou ‘’Já é hora de fazer outros ‘’já’’ .

         Alda de Cássia

*Imagem: Unigranrio 

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Aprendi a ser brisa






Ontem, era ventania, mas hoje aprendi a ser brisa. Brisa leve que chega de mansinho e afaga o rosto de uma criança, seca as lagrimas de uma decepção e balança levemente as folhas de uma árvore.

Ser brisa... Quantas vezes precisamos serenar nossos pensamentos e nossas emoções. Não é mesmo? Ser brisa é ser um sopro de vida na vida de quem desistiu de viver e falar bem baixinho no ouvido: ‘’Tudo passa... Vai passar... Tenha fé!’’.

Ser brisa é morar no abraço do outro que queremos bem. Abraço de pai na filha. De mãe no filho e de um amigo na sua amiga... Ser brisa é saber que tudo tem o seu tempo, pois o tempo passa devagar quando queremos que se eternize, mas passa rápido quando chega o fim.

Você é brisa?

Alda de Cássia

*Imagem: Patchwork

terça-feira, 9 de abril de 2019

Conto: Desalento

























 Hoje, quero partilhar um dos meus contos que estava guardado a sete chaves. Tenho alguns poucos que foram escritos em momentos onde o frio era intenso e o sol  insistia em não aparecer.

Um conto triste Alda? Talvez, mas quero demonstrar que é possível transformar um dia triste em um pássaro que resolveu voar em busca do seu destino e deixou para trás o que já viveu e superou.


Enfim, não gosto de escrever contos  de desalento, por isso não mais me permiti deixar fluir. O cenário era o meu quarto e a melodia era de Frédéric Chopin. Na época, a sensação de escrevê-lo foi de estar sentada em uma praia, sozinha , a contemplar o mar.


P.s: Espero que gostem!


                                                Conto: Desalento

Ela caminhava entre as árvores. Olhava para as nuvens. Imaginava ter o poder de tocar uma a uma. O vento brincava com os seus cabelos, e, ela permitia. Permitia o toque. Permitia ser quem era.

A vida não foi tão generosa com ela, mas sempre soube agradecer cada conquista. Era preciso. Sempre soube que havia nascido para ser feliz. Felicidade para ela não era ter um amor, mas ser capaz de tocar o coração do outro como uma gota beija o mar.

As flores eram tão belas e perfumadas. Não teve coragem de arrancá-las. Por isso, pegou uma linda mas murcha rosa e colocou em seu cabelo. O perfume exalava ainda, e, deve ser por este motivo que um beija-flor veio beijar a rosa em seu cabelo.

O que fazer? Não ousou fazer, apenas se permitiu sentir. O som era agradável aos seus ouvidos. Que estranho sentir a presença de sua mãe que havia morrido semana passada. Tinha pressa de chegar em casa, porém a vontade  de ir não era tão grande quanto de ficar.

Uma fina chuva agora caia. Ela se permitia sentir as gotas tocando e rolando pelo seu rosto. Uma sensação de paz e de reencontro. Quantas vezes se perdiam na saudade. Algumas lágrimas caiam em zigue-zague.

Agora, a chuva era mais forte. Os raios desenhavam a sua chegada. O som do trovão avisava que era hora de correr. Correr perto de árvores poderia ser fatal. Lembrou das palavras de sua mãe Dora.

Ah! Doce e meiga Dora, uma senhora que todos os finais de semana fazia um trabalho voluntário na creche Pequerrucho. Mesmo com os seus 80 anos, ela esbanjava saúde entre tantos abraços apertados que distribuía.

Seu sorriso era iluminado. Suas palavras eram de acalento diante da dor e seu abraço era de imensa ternura, mas os seus olhos fecharam para sempre. Sempre era tão dolorido de sentir que Doralice se esvaziava de si.

Quando a morte avisa que vai chegar, ela abre portas e as fecha na saída. O vento não mais entra na casa. O dia chega ao fim e a escuridão deixa tudo vazio e infinitamente sem vida por onde passa.

Doralice volta a olhar para as nuvens. A chuva acabou. Hora de voltar. De ser quem não é, mas que precisa ser. Ser a fina chuva. Vestir-se de primavera e sorrir sem querer.

Ah! A vida que deixa marcas profundas quando um grande rasgo é feito no coração e nem uma doce melodia tem o poder de compor com tanta harmonia como antes era em versos e prosas.

Chega à hora de deixar seu vestido de flor secando no varal e o amor da perda da mãe guardado no álbum do passado e seguir em frente. Nada vai ser como antes. Agora tem certeza. Enrola os cabelos em uma fita vermelha e passa um batom. Acabou o seu dia. Quanto desalento sentia.

Bjs,
Alda de Cássia

*Imagem: Três Passos News

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Livro: Mozart no futuro

Que livro mais interessante! Quando pedi emprestado não sabia que seria capaz de gostar da forma como a escritora Tânia Maria Rodrigues-Peters  contou a história de Mozart.

Ah! As ilustrações são belas e são de Pedro Caraça. Tânia menciona que escreveu o livro ao som da música de Mozart, seguindo ‘’ o que sentia, a minha intuição, o meu coração...’’ e até sugere que deve-se colocar Mozart para poder apreciar a leitura!

Pois bem, me identifiquei não só com a história de Mozart, pois amo escutar músicas clássicas  de Mozart. E também, escrevo meus contos e textos ouvindo os grandes clássicos.

Por sinal, trabalho utilizando as músicas clássicas e instrumentais como mais um recurso da terapia ocupacional, por isso este ‘’brincar’’ com os personagens e as palavras faz tanto sentido para mim.

Bem, conta a história de Mozart ainda na infância e que foi transportado para o futuro e com o seu novo amigo Max vão ‘’curtir adoiadados’’ várias aventuras.

Enfim, um livro para crianças e ‘’adultos-criança’’ como eu que ama ler livros até de infanto-juvenil, pois me incentiva a escrever para este público que tanto amoooooo.

Bjs,
Alda de Cássia

* Imagem: Container Cultura 

domingo, 7 de abril de 2019

Livro: Fadiga crônica.


um livro muito interessante chamado ‘’Fadiga Crônica’’, do Dr.Grégoire Cozon, e, tendo a consultoria do Dr.José Antônio Levy. Foi lançado pela editora Larousse.

Quem nunca ficou fadigado? Quem nunca ficou cansado? Existe diferença! Segundo o livro: ’’A fadiga é normal em todo o individuo. Trata-se de um estado comum que qualquer um sente após realizar atividades físicas ou intelectuais intensas. Faz parte da vida cotidiana, mas pode ser sintoma de várias doenças’’.

Como sou ''hiperativa'', não me sinto cansada após duas horas de caminhada, mas sei que meu corpo sofre devido a fadiga causada aos músculos e tendões.

Então, qual a função da fadiga? A Fadiga Física tem por objetivos limitar os movimentos do corpo, já que fisiologicamente ela tem que proteger o organismo do excesso de atividades físicas que prejudicam os músculos, ossos e tendões.

É a Fadiga Crônica? O que é Síndrome da Fadiga Crônica? Entenda que, não é simples fadiga persistente e nem ‘’esgotamento intenso’’.

Primeiramente, síndrome é o nome dado a um ‘’conjunto de sintomas e/ou sinais observados em vários estados patológicos diferentes, sem causa especifica’’.

Existem sintomas associados à Síndrome da Fadiga Crônica, entre eles:

  ¥ Redução da atividade física em mais de 50%,comparadas com capacidades físicas anteriores;
  ¥ Diminuição do potencial de atividade que repercute no trabalho, com faltas ao serviço;
  ¥ Prejuízo na vida pessoal e no lazer onde o paciente passa a utilizar o seu tempo livre descansando;
  ¥ Distúrbios do sono (problemas para adormecer ou despertar recorrente)
  ¥ Entre outros.

Um livro muito interessante, que responde e esclarece muitas dúvidas sobre a Fadiga Crônica!

Bjs,
Alda de Cássia 

sábado, 6 de abril de 2019

Viagem ao mundo ‘’de dentro’’.







O que é isso Alda? Meu jeito de dizer que vou continuar olhando para dentro, por isso, a viagem deve ser ‘’para dentro’’, literalmente falando! Infelizmente, algumas pessoas vivem conectadas nas redes sociais, na vida turbulenta e agitada e esquecem de fazer uma viagem internada.Não é verdade?

Você já fez a sua hoje ou ainda está ‘’pregado’’ no celular? Sim, uns estudam, fazem pesquisa e mantêm contato com familiares distantes. Outros utilizam o ‘’zap-zap’’ para conversas esporádicas ou importantes.

Aos finais de semana, compro um passaporte para uma curta viagem com destino ao ‘’para dentro’’. Desconecto do ‘’’zap-zap’’, e a única ‘’rede’’ que fico ‘’deitada’’ é aqui, no blog Diário das Gêmeas Paraenses e no Instagram.

Faço coleta de assuntos pertinentes e que sejam interessantes para compartilhar. Não faço por obrigação e sim por prazer na partilha até porque, pesquisar, ler e escrever faz parte da minha ‘’quase rotina’’ já que, não gosto de rotina, pois me deixa na zona de conforto.

Enfim, quero asas para voar sabendo que preciso ter asas firmes, voo programado entre saída e chegada. Quero aproveitar a viagem, sem pressa e só com a vontade de ser feliz. Sabe quando você coloca ‘’ a cara’’ para fora do carro: perigoso, mas empolgante... Pois é, já estou com viagens programadas para ‘’dentro de mim’’ e você?

Bjs,
Alda de Cássia

 *Imagem: Viagem para dentro de si