terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Livro: A Casa do Girassol Vermelho


O livro de hoje que compartilho é ‘’’A Casa do Girassol Vermelho e outros Contos’’ do escritor Murilo Rubião, que foi lançado pela editora Companhia Das Letras.

Segundo o posfácio de Sergio Alcides, este é o volume de contos mais ‘’difícil’’ de ler, porém, o mais simples.Cito que, alguns contos foram escritos quando o autor tinha seus 20 e poucos anos.

Bem, vou compartilhar o conto ‘’A armadinha’’, que conta a história de um homem chamado Alexandre Saldanha Ribeiro, que resolveu chegar até o 10º andar pela escada levando nas mãos uma mala.

Ele estava determinado e nem o cansaço o desmotivou. Ao chegar no 10º, ele passou a caminhar por um longo corredor que não denunciava a presença de nenhum ser humano nas salas por onde passava.

Ao parar na última sala, ele passou a ler uma frase que estava escrita na parede. Ao tentar abrir a porta que parecia a muito não utilizada, ele resolveu abri-la com o ombro e a força foi tão grande que ela veio a baixo.

A sala estava escura e parecia a muito não habitada. Ao caminhar encontra um biombo que o afasta até ver uma porta semi-aberta. E, ao abri-la, ele se depara com um homem de cabelos grisalhos apontando-lhe um revólver.

O que acontece? Bem, não querendo estragar o conto. Deixo em suspense que eles se conheciam e um longo passado veio cobrar a promissória vencida.

Dica de leitura!

Bjs,
Alda de Cássia

*Imagem:Livraria Cultura 


segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Amor pelos livros





Fico a pensar como surgiu o meu amor pela literatura. Como? Teria sido pelo incentivo dos nossos pais pela leitura de grandes obras-primas? Teria sido apenas pelo incentivo pela leitura de ‘’gibis’’ ou pela leitura obrigatória na Escola?

Pois é, talvez um pouco de tudo e que hoje me faz compartilhar boas leituras de grandes autores por aqui, no blog diário das Gêmeas Paraenses.Não me vejo sem um bom livro no final da noite ou dois a três livros nos finais de semana. Não mesmo!!!Engraçado que outro interesse é ouvir músicas clássicas, desde Mozart a Beethoven, mas este interesse específico vem da época que éramos bailarinas clássicas e também da escuta diária que tenho hoje.

Interessante que tenho meus escritores preferidos, mas sempre estou aberta para ler novos escritores. Por isso, aqui compartilho. O estilo? Contos e crônicas são meus preferidos, mas gosto de ler vários outros estilos.

Hoje, após lançar 2 livros de contos terapêuticos (Contos terapêuticos: À Procura de Respostas e Contos Terapêuticos:A Roda Gigante e outros contos), com a minha mana abençoada, estou me preparando para um outro voo e agora sem escala, pois é um projeto que foge de tudo que já escrevi.

Enfim, amo escrever. Amo ler e amo compartilhar o que leio por aqui. Você poderia dizer: "Amar, isso é exagero dela, pois amamos pessoas, mas não livros".

Não vou concordar ou discordar de você, já que amar não se conjuga só com pessoas, até porque, amor quando definido não é amor, pois ele é infinito e infinito não se dimensiona e nem se conjuga ou rotula.

 Bjs,
Alda de Cássia 

*Arte: Vitória de Cássia 

domingo, 21 de janeiro de 2018

A soja mal processada pode levar ao raquitismo em crianças?






 A professora de Nutrição e Gastronomia Marla Lemos afirma que a soja contém toxinas antinutrientes, como os fitatos, os goitrogênicos e a genisteína. Se consumidas, podem causar sérios danos à saúde. Os fitatos, por exemplo, inibem a absorção de alguns minerais essenciais para o organismo, especialmente o zinco. Alguns estudos revelaram que o consumo excessivo de fitatos em crianças pode levar a problemas cerebrais, como o raquitismo.

Já o goitrogênico impede que o iodo seja absorvido a partir do trato gastrointestinal. Ele é necessário para a produção do hormônio da tireoide e quando ela não acontecesse devidamente, provoca-se a formação do bócio ou papo. Para evitar que isso aconteça, basta tomar alguns cuidados extras com a soja. "O ideal é deixá-la de molho e cozinhar de forma bem lenta. Além disso, é recomendada a utilização da soja de forma fermentada", aconselha Marla. Estes processos eliminam as toxinas antinutrientes.

*Pesquisa para o Blog Diário das Gêmeas Paraenses :Vitória de Cássia 

sábado, 20 de janeiro de 2018

Livro: Empreender em 100 Lições






Uma super dica para quem deseja uma mudança de 360º em sua vida profissional.O livro é ‘’Empreender em 100 lições – Mestre de todos os tempos dão dicas para a sua empresa brilhar do autor Jonathan Yates e foi lançado pela editora Gente.

Você tem um negócio? Planeja começar um? Não importa se experiente ou iniciante. Se você é um empreendedor, certamente deseja saber tudo o que é possível para ser bem-sucedido. E se você pudesse conhecer os sábios conselhos e as valiosas dicas que os mestres do empreendedorismo de todos os tempos têm a oferecer? É exatamente o que o livro traz..."

Dica de hoje!

Bjs,
Alda de Cássia 

*Imagem:Amazon 

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Mandioca mal preparada pode fazer mal?




O engano é comum, mas a mandioca usada para fazer o aipim frito e cozido não é a mesma que resulta na farinha. Esta é a chamada mandioca brava, que antes de ser consumida precisa ser fervida a uma temperatura de 70ºC. A professora do curso de Nutrição e Gastronomia da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) Marla Lemos explica que a mandioca brava contém cianeto de hidrogênio (HCN), uma toxina termolábil e volátil, por isso é liberada pelo cozimento, por fervura e pelo processo de fabricação da farinha.

Marla explica que, se a mandioca for ingerida sem passar por isso, pode provocar problemas gastrointestinais - vômitos, náuseas, diarreia - e distúrbios neurológicos, como convulsões, dilatação da pupila e até coma. Sonolência e irritação da mucosa respiratória também são sintomas comuns que podem aparecer. A professora ressalta que o alimento é bastante consumido na Bahia e outras regiões do nordeste do Brasil.

 Pesquisa para o Blog Diário das Gêmeas Paraenses:Vitória de Cássia 

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Alergia a camarão pode surgir de repente?






A alergia a frutos do mar é uma das mais comuns entre adultos e, entre elas, o campeão de ocorrências é o camarão. A alergista e diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), Ariana Campos Yang, afirma que as reações podem surgir a partir dos seis anos e aparecer sem a pessoa esperar: "Ela pode estar acostumada a comer camarão desde criança e, um dia, vai para praia, come e tem uma reação grave". Yang explica que isso acontece porque o corpo se torna mais sensível a uma proteína que não consome diariamente. "Quando eu como um alimento todos os dias, como leite, ovo, eu não dou tempo para o meu corpo se sensibilizar porque eu o estou tolerando no dia a dia". Como o camarão é ingerido mais esporadicamente, o organismo não tem tempo para se acostumar, desenvolvendo uma alergia.

As reações para quem não tolera esse alimento são marcas vermelhas na pele, inchaço nos lábios, náusea e vômito. As mais graves resultam em problemas respiratórios, como tosse, falta de ar, inchaço na glote, queda na pressão arterial e até uma parada respiratória. O camarão libera partículas da proteína troponiosina que ficam no ar, na pessoa que comeu ou que o preparou, portanto só o contato pode desencadear reações.


Pesquisa para o Blog Diário das Gêmeas Paraenses : Vitória de Cássia 

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

LIVRO:Ofício de Escrever


Sim, escrever é um oficio dos mais árduos, porém prazeroso.Todos os dias me proponho a escrever por aqui, assim como ler e escrever contos. No primeiro momento navego no mar de ideias surgidas de uma palavra, de uma cena cotidiana ou não e também das minhas experiências profissionais.

Cenas corriqueiras ou especiais acabam sendo canalizadas e reproduzidas na tela do computador, em um pedaço de papel ou até bula de remédio e, por sinal, foi dele que escrevi o conto ‘’A tartaruga’’ que já está publicado por aqui no Blog Diário das Gêmeas Paraenses.

Pois bem, este livro ‘’Ofício de Escrever’’, do Frei Betto, que é frade dominicano, escritor e cronista funciona como uma janela naquela área que usamos para guardar objetos não mais usados; Sim, o  depósito ou o quartinho dos fundos!

O incrível é que, quando buscamos algo que não encontramos, o nosso pensamento é: ‘’Deve estar lá no quartinho!’’. Não é mesmo? E tem mais!!! Sim, quando voltamos de lá com o tal objeto, trazemos outros tantos na mão com aquela desculpa esfarrapada: "Vou precisar disso!’’.

Quem nuncaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa viveu este momento de ‘’Levo e depois vejo o que faço’’? Fale ou se cale para sempre! Pois bem, vamos voltar ao que interessa, pois é tempo de leitura de belos contos e fábulas neste universo literário que inspira e transpira emoções e aventuras.

Vamos lá!

O que você leu no livro que tanto abalou seus conceitos de ‘’Não é que ele tem razão’’ Alda? Juro de pés juntos e dedos cruzados que gostaria de colocar um pouco de tudo que li, mas não quero tirar o seu direito de poder ler o livro na íntegra, mas não posso deixar de compartilhar conhecimento, pois isso não seria de Deus!!! (rs)

Vou fazer bem assim: Compartilho algumas das ideias do Frei Betto, que vão inspirar você ok?

ü ‘’O livro não é apenas um texto que se lê, é também um texto que lê o leitor, dialoga com ele, muda sua ótica da vida, interpela e faz sonhar. ’’

ü  ‘’O papel da literatura é ampliar o nosso campo de visão, aprofundar nossa consciência crítica e dilatar nosso potencial onírico. Viver sem sonhar é mero sonambulismo’’

ü ‘’Ler é percorrer todos os períodos da história, penetrar conhecimentos científicos e técnicos, dar asas à imaginação, sem sair do lugar... ’’

ü O amor aos livros nasce na infância. Criança que jamais viu os pais lerem ou vive em uma casa desprovida de livros terá, com certeza, dificuldade de adquirir gosto pela literatura. ’’

 Fantástico !!! Não é verdade? Então, agora vamos à perguntinha básica e que os cronômetros comecem a contar... 1,2 e 3 ... Você concorda com o escritor quando disse que ''O amor aos livros nasce na infância'' ?

Tchauuuuuu até a próxima!

Bjs,
Alda de Cássia   

*Imagem: Saraiva